2 comentários:
De eugenio a 11 de Março de 2010
permitam-me uma colagem, desculpem o incomodo,para alguns é preferivel um centro comercial,não os critico, tambem sou assim...ás vezes...aqui vai:
Julga-me a gente toda por perdido

Julga-me a gente toda por perdido,
Vendo-me tão entregue a meu cuidado,
Andar sempre dos homens apartado
E dos tratos humanos esquecido.

Mas eu, que tenho o mundo conhecido,
E quase que sobre ele ando dobrado,
Tenho por baixo, rústico, enganado
Quem não é com meu mal engrandecido.

Vá revolvendo a terra, o mar e o vento,
Busque riquezas, honras a outra gente,
Vencendo ferro, fogo, frio e calma;

Que eu só em humilde estado me contento
De trazer esculpido eternamente
Vosso fermoso gesto dentro na alma.

Luís de Camões

um abraço.....eugenio
De M. Rui Santos a 13 de Março de 2010
Lembro bem dessa deslocação à Batalha! Essas actuações também foram ricas em relações humanas lembro que ficamos alojados em casas dos residentes habitantes dessa Vila e que essas vivências trazem sempre boas e ricas experiências no âmbito de relações de amizade entre as pessoas. Com algumas peripécias à mistura... Lembro também de um intercâmbio que fizemos com um grupo de teatro de Loureiro (Oliveira de Azeméis ) também ficou celebre nas nossas memórias pois também ficamos em casa dos próprios elementos do grupo local e foi muito bom gratificante a experiência. Enfim uma passagem pelo Centro rica em boas e enriquecedoras experiências. Um abraço ao comentador anterior Eugénio gostei do poema e veio no contexto da noticia do recital Camoniano que também foi um sucesso! Corro o risco de ser repetitivo neste assunto de que gostaria que a nossa terra continuasse as actividades que outrora nos tornaram como sendo uma terra rica em valores culturais. Gostava que aparecesse uma nova geração de jovens que impulsionasse o Centro para a continuidade fica aqui o repto uma abraço de amizade a todos que comungam deste ideal.

Comentar post